ANÚNCIOS

Últimas Notícias

PREVENIR O SUICÍDIO É POSSÍVEL

Uma epidemia silenciosa e devastadora, cujos índices não têm apresentado queda no Ceará e no Brasil na última década. Como um episódio isolado, o suicídio pode deixar a sensação de impotência entre familiares e amigos da vítima. No entanto, ele se configura como caso de saúde pública mundial e deve ser enfrentado com uma rede de cuidados. Principalmente porque a maioria dos suicídios pode ser prevenida.

No mundo, uma pessoa morre por suicídio a cada 40 segundos. Foram cerca de 804 mil casos em 2012, conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS). Para jovens entre 15 e 29 anos, o suicídio é a segunda causa de morte mais frequente. Ainda segundo estimativa da OMS, as taxas de suicídio poderão dobrar até 2020, matando mais que homicídios e guerras. Outra estimativa é de 20 tentativas de suicídio para cada óbito registrado.


Em oitavo lugar no ranking mundial, o Brasil teve 11,8 mil suicídios em 2012, apresentando a média de uma morte a cada 45 minutos. Mesmo alarmantes, os dados compilados pelas autoridades de saúde ainda não refletem a realidade brasileira. “Há casos em que as famílias não querem o registro como suicídio. Há outros onde as pessoas morrem no hospital, e nem sempre a tentativa de suicídio é identificada, gerando uma notificação diferente”, ressalta a psiquiatra Maria Cristina Ramos de Stefano, cujo filho cometeu suicídio há quatro anos.


Dentre 160 países analisados pela OMS, o Brasil está entre os 28 que possuem estratégia de prevenção do suicídio. Segundo informações repassadas pelo Ministério da Saúde, a rede pública oferece acompanhamento psicológico e psicoterápico, terapia ocupacional e assistência hospitalar. Contudo, especialistas que lidam com o tema apontam uma realidade de desamparo para quem precisa do atendimento psiquiátrico na rede pública.


Rede de atenção

O funcionamento desta rede de atenção é essencial na prevenção do suicídio, segundo Fábio Gomes de Matos, psiquiatra e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC). Ele explica que 98% das vítimas estão associadas a transtornos mentais. Dentre eles, os mais comuns são depressão, transtorno bipolar, abuso de substâncias químicas, esquizofrenia e Transtorno de Personalidade Borderline. “Se você diagnostica e trata estes transtornos, você tem uma prevenção bem razoável”, ressalta.


Para Alexandrina Meleiro, coordenadora da Comissão de Estudo e Prevenção de Suicídio da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), o suicídio pode ser prevenido desde o pré-natal até a educação da criança. “Ela precisa ter autoestima e ser incentivada a ter resiliência, a saber enfrentar as adversidades da vida. Se ela é muito protegida e mimada, ela cresce sem suportar a dificuldade”, exemplifica. Cuidar da saúde e controlar fatores de risco para os transtornos mentais são outras estratégias para o desenvolvimento cerebral sadio.


No você confere os fatores de risco e sinais de alerta para o comportamento suicida, além das dicas de abordagem e opções de onde buscar ajuda. A rede de atenção na saúde pública e práticas positivas de voluntariado também compõem o material. Porque é possível prevenir, o suicídio não pode ser um tema esquecido. Falar e apontar saídas são alguns dos caminhos para salvar vidas.


O POVO

Nenhum comentário