Últimas Notícias

06 dezembro 2018

Golpistas clonam números de WhatsApp no Ceará e pedem dinheiro se passando por conhecidos das vítimas


Golpes com WhatsApp tiram dinheiro de vítimas no Ceará — Foto: Paulo Sadat/ TV Diário


Um golpe realizado por meio do aplicativo WhatsApp fez, pelo menos, 50 vítimas no Ceará, segundo a polícia. Os golpistas clonavam o chip das vítimas e pediam dinheiro para familiares e amigos para situações diversas. Os valores transferidos com os golpes variam entre R$ 70 e R$ 80 mil. Conforme a polícia, a modalidade de crime vem sendo aplicada em todo o país há três anos. Alguns suspeitos já foram identificados, incluindo o chefe da organização, que é interestadual.

O grupo já atacou políticos e instituições públicas do Ceará, incluindo prefeituras. Os crimes estão sendo investigados pela Célula de Inteligência Cibernética do Departamento de Inteligência Policial (DIP). Cerca de 5 mil pessoas já caíram no golpe em todo o Brasil, segundo a polícia.

De acordo com o delegado Julius Bernardo, diretor da Célula, os maiores valores arrecadados com os golpes vêm de instituições públicas. Os criminosos usa contas de laranjas para depositar o dinheiro. “É um trabalho complexo e já ouvimos diversas pessoas. Sabemos que o golpe era bem estruturado, contando com a participação de vários envolvidos”, destacou.

Com as mensagens, os criminosos pediam dinheiro para pessoas próximas, para situações que vão desde a troca de um pneu, compra de um eletrodoméstico, até a aquisição de um carro. Para ter acesso à conta de app da vítima e aos contatos, eles compravam um chip e pediam o resgate de um número de telefone, que viria a ser o das vítimas pelas quais se passavam mandando as mensagens.

A polícia acredita que o número de vítimas no Ceará ainda possa ser muito maior, já que muitas pessoas podem não ter registrado queixa. Ainda conforme a polícia, há suspeita de participação de funcionários de operadoras de celular nos golpes.

Prefeito do Crato

O chefe do Executivo no Crato, Zé Ailton Brasil, foi alvo de golpe com as mesmas características duas vezes este ano. O último ocorreu no fim de novembro. O prefeito contou que seu número de telefone e, consequentemente, o aplicativo de mensagens pararam de funcionar repentinamente. E logo em seguida, pessoas próximas a ele, incluindo assessores e o secretário de Finanças, receberam mensagens com solicitações financeiras.


Situações semelhantes ocorreram com um comandante da Polícia Militar e uma funcionária da Perícia Forense de Juazeiro do Norte.

Como se proteger

Para evitar cair no golpe, a polícia recomenda o uso do recurso de verificação em duas etapas do WhatsApp. Opcional, o recurso exige que a verificação do número de WhatsApp seja feita acompanhada por um PIN, uma senha de seis dígitos criada pelo usuário. Além disso, a polícia também reforça que negociações financeiras não sejam realizadas pelo aplicativo.

CEARÁ

Nenhum comentário:

Postar um comentário



Anúncio Google

Post Top Ad

Your Ad Spot

Páginas