CEARÁ PREPARA RESTRIÇÕES MAIS SEVERAS AO USO DA ÁGUA

quarta-feira, 4 de maio de 2016

O secretário dos Recursos Hídricos, Francisco Teixeira, admitiu que o Governo do Ceará estuda novas restrições ao consumo de água. “Estamos trabalhando com simulações até o fim de maio e deveremos tomar decisões quanto a possíveis restrições mais severas”, afirmou.


Maio é o último mês da quadra chuvosa, quando as precipitações já começam a perder força. Nos meses anteriores da quadra — fevereiro a abril — as chuvas ficaram abaixo da média histórica.


Teixeira evitou antecipar quais podem ser as medidas, mas sinalizou para a radicalização do que já começou a ser feito. Ele destaca o estímulo ao reuso de água em áreas industriais. A água liberada do Castanhão já foi reduzida a menos de um quarto. A vazão, que já foi de 22 metros cúbicos por segundo, hoje é de 5 m³/s. Está sendo feito também reúso de água da lavagem dos filtros do açude Gavião.


Além disso, desde dezembro de 2015, a Companhia de Água e Esgoto (Cagece) cobra tarifa extra dos consumidores que não reduzem o consumo em pelo menos 10%. O valor a mais sobre o consumo excedente é de 120%. Além disso, houve dois aumentos na conta de água em quatro meses.


A Cagece também tem tomado medidas de aumento da eficiência e diminuição de perdas de água.


Com o possível aprofundamento dessas ações e com novas restrições, o secretário acredita ser possível evitar a medida mais extrema, que seria o racionamento na Capital e nas maiores cidades. Atualmente, aproximadamente 30 municípios atendidos pela Cagece enfrentam cortes no abastecimento.


“Estamos trabalhando para evitar um racionamento mais radical”, diz o secretário. Ainda assim, a Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Ceará (Arce) já determinou prazo de 30 dias para que a Cagece apresente plano para possível racionamento. A data-limite é o próximo dia 16.


Apesar da cobrança, Teixeira afirma que “a expectativa é que tenhamos água até o inicio da próxima quadra chuvosa (em janeiro de 2017)”.

Cinturão das Águas

O governador Camilo Santana (PT) anunciou, na tarde de ontem, o incremento pelo Ministério da Integração Nacional de R$ 619 milhões no orçamento para as obras do primeiro trecho do Cinturão das Águas (CAC), que distribuirá a água da transposição do rio São Francisco pelo Estado. “O CAC terá relevante papel na distribuição dessa água para boa parte do sertão cearense”, explica Camilo.


O Cinturão, conforme publicado ontem pelo O POVO no especial À Espera de Francisco, está 27% concluído. O orçamento chega agora a R$ 1,6 bilhão.


Contudo, a medida, às vésperas da votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff, não assegura que o dinheiro sairá.


“Este incremento garante o orçamento da obra e resolve entraves burocráticos, e possíveis reajustes. Mas, o financeiro é mês a mês. Estamos recebendo R$ 10 milhões por mês, quando seriam precisos R$ 60 milhões para a obra funcionar em suas cinco etapas”, disse Teixeira.


O primeiro trecho da obra tem 146 km. O prazo de entrega pode variar do fim de 2017 até 2019. “Ainda tem o ponto que não sabemos, o possível comportamento do novo governo (caso o vice-presidente Michel Temer assuma). Se ele não mandar dinheiro, a obra para”, receia.


Os 153 açudes monitorados têm hoje 13,3% da capacidade.


Saiba mais


O primeiro trecho do Cinturão das Águas (CAC) levará água da transposição do São Francisco até Nova Olinda. Cidades do Cariri serão abastecidas via rio Cariús. A água pode chegar até o açude Orós.


Fortaleza não depende do CAC para receber a água da transposição. Ela irá até a Capital pelo Riacho dos Porcos, em Brejo Santo. Áreas mais críticas, como Inhamuns e o Vale Jaguaribe, apesar de não estarem diretamente ligadas a essa etapa do CAC, poderão se beneficiar via adutoras.



O POVO

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...



POSTO RIACHUELO EM IRACEMA

ULTRAGAZ EM IRACEMA-CE

ADAS MOTOS EM IRACEMA-CE