Últimas Notícias

21 agosto 2019

Há 30 anos, o Brasil se despedia de Raul Seixas: louco, visionário, roqueiro


Na foto: Raul Seixas(Foto: Divulgação)
“Louco, visionário, roqueiro, cara-de-bandido, legítimo representante da geração beat no Brasil. Raul Seixas morreu de parada cardíaca ontem, em São Paulo”. Esta era a frase que, em 22 de agosto de 1989, anunciava a morte do cantor Raul Seixas em edição do O POVO à época. Falecido no dia 21 de agosto daquele ano, já são 30 anos sem o excêntrico artista, conhecido pela originalidade, que também colocava nas letras de suas músicas.


>> Amigo do roqueiro fala sobre os 30 anos sem Raul Seixas

Capa do O POVO de 22/08/1989 (Foto: REPRODUÇÃO)

A edição especial do Vida & Arte dedicada à Raulzito (alcunha carinhosa que recebeu no cenário musical) contava a história do multifacetado Raul Santos Seixas. Nascido em Salvador em 1945, a afeição do garoto pela música começou cedo, já na escola. Abraçaria a vida de artista anos depois, quando integrou a banda Os Panteras na década de 60. Em 26 anos de carreira, foram 17 discos lançados e uma vida com altos e baixos.

Capa do Vida &Arte com homenagem a Raul Seixas
Capa do Vida &Arte com homenagem a Raul Seixas (Foto: REPRODUÇÃO)

O artista passeava por muitas áreas. Era apaixonado por literatura, laço que se fortaleceria quando conheceu o escritor Paulo Coelho, parceiro em suas composições. O baiano cresceu ouvindo Luiz Gonzaga em sua cidade e costumava dizer que “o rock morreu em 59”. Ousado, misturou todas suas influências, de baião à country rock, às letras enigmáticas e místicas. Isso seria, inclusive, o que diferenciaria Raul dos demais artistas da época. Apesar das bandas e grupos que fizera parte, foi em disco solo, o Krig-ha, Bandolo! (1973), que Seixas emplacaria sua carreira.

Foi também nessa época que o cantor teve seu primeiro contato com Paulo Coelho, escritor brasileiro. Raul e Paulo compuseram juntos canções de sucesso como “Gita” e “Eu nasci há dez mil anos atrás”. A dupla também criou a chamada Sociedade Alternativa, baseada nos princípios do bruxo inglês Aleister Crowley. Nesse momento, Seixas se aproximaria do ocultismo e misticismo.

Raul morreu na madrugada do dia 21 de agosto de 1989, aos 45 anos, depois de sofrer problemas hepáticos e renais. Ele foi encontrado em um Flat onde morava em São Paulo. Raul Seixas é considerado pai do rock brasileiro. Suas produções continuam ganhando notoriedade na música brasileira e fãs relembram com carinho o artista.



Nenhum comentário:

Postar um comentário



Anúncio Google

Post Top Ad

Your Ad Spot

Páginas