Últimas Notícias

TV SERRANA

29 outubro 2018

Moradores relatam ter avistado caixas 'misteriosas' em praias de três municípios do Ceará


Há três dias, mais de 70 pacotes “misteriosos” começaram a aparecer nas praias de Alagoas, deixando em alerta os moradores de pelo menos 13 cidades do Estado. Os fardos encontrados pesam mais de 100kg cada um e há registros da presença deles em Tamandaré, no litoral pernambucano, além de praias da Paraíba. No Ceará, até agora, há relatos de que o material foi avistado em Camocim, Aracati e Caucaia. No entanto, por aqui, o material físico ainda não foi detectado pelas equipes do Ibama.

De acordo com informações do G1 Alagoas, os exames laboratoriais feitos por biólogos do Instituto do Meio Ambiente (IMA) constataram que os pacotes que apareceram no litoral alagoano são feitos de polímero, um material sintético feito a partir de derivados do petróleo. A origem, porém, ainda é desconhecida.

O chefe da Divisão Técnico-Ambiental do Ibama no Ceará, Miller Holanda Câmara informou que o órgão recebeu ainda ontem (26) uma ligação de um morador da Caucaia, relatando que havia avistado material semelhante ao analisado pelo IMA. Já nas outras localidades, Camocim e Aracati, equipes de fiscalização teriam ouvido relatos de moradores e repassado ao Ibama.

Os registros no Estado do Ceará, porém, não existem nem por meio de foto. "A gente não chegou a ver, coletar, separar, são apenas relatos. Mas quando tem diversos relatos, a gente acredita”, pontuou Miller sobre o caso.

Material deve ser analisado antes de ser descartado

Segundo o representante do Ibama, a orientação que vem sendo repassada às pessoas que entram em contato com o órgão cearense é de que o material deve ser tratado como resíduo sólido, dando-lhe “destinação adequada”. Questionado se as pessoas poderiam interpretar esse destino como lixo, Miller afirmou que antes acionaria um “pessoal de emergência ambiental para verificar”.

Já em Alagoas, o Ibama, a Capitania dos Portos e demais envolvidos na investigação orientaram as prefeituras dos municípios costeiros para que fizessem o recolhimento dos fardos encontrados em seus territórios.


Nos próximos oito dias, outros exames serão realizados pelo IMA para analisar os demais aspectos dos pacotes, incluindo os crustáceos que estão grudados na superfície deles. As informações do instituto, colhidas pelo G1 Alagoas, apontam para o fato de que os animais “são de origem afastada da nossa costa, de águas mais profundas, o que indica que esse material pode ter navegado por meses até chegar à praia”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário



Anúncio Google

Post Top Ad

Your Ad Spot

Páginas