Últimas Notícias

23 março 2018

ÔNIBUS COM ALUNOS É ASSALTADO NA ZONA RURAL DE ICÓ/CE


Em mais uma sessão movimentada e polêmica, a Câmara Municipal de Quixadá aprovou no início da tarde desta quarta-feira (21) o Projeto de Lei Nº 07/2018, que prejudica 754 concursados aprovados no certame realizado pela gestão João da Sapataria.

Os vereadores ligados ao prefeito Ilário Marques (PT) utilizaram todo tipo de artifício para que o projeto fosse aprovado. A presidente da Associação de Pais e Amigos de Pessoas Especiais de Quixadá (APAPEQ), Vera Carneiro, por exemplo, foi utilizada para pressionar os vereadores a votar a favor do projeto. O trabalho da entidade, que cuida de crianças portadoras de necessidades especiais, porém foi usado de forma sorrateira, para atender os anseios do chefe do Executivo e prejudicar os concursados.

A votação era bastante esperada pelos candidatos aprovados no concurso público realizado pela Prefeitura de Quixadá, pois o Executivo local usa as vagas estabelecidas no certame para alocar correligionários, amigos, parentes de amigos e aderentes do alcaide quixadaense. O fato tem deixado os aprovados insatisfeitos, que foram até o Legislativo para pressionar os parlamentares, cobrando assim a legalidade, uma vez que passaram no concurso público. Eles não toleram que seus cargos sejam usados como massa de manobra para agradar os aliados com poder de voto, afinal de contas seus contratos servem como poder de troca.

Os concursados, desde a primeira sessão que trataria sobre o projeto de lei, inclusive adiada, já sentiam que poderiam sofrer uma engenhosa armação capitaneada pelo alcaide local e por sua base aliada. Como esperado, teve parlamentar que mudou de opinião, caso de Renê Matias que no encontro anterior do Legislativo afirmava que iria a pé de Quixadá para Fortaleza com os concursados, porém na sessão de hoje (21) mudou o discurso e votou pela aprovação do projeto, passando a dizer um não aos concursados.

Além de Renê Matias, votaram a favor do prefeito os vereadores: Marcelo Ventura, Darlan Piaba, Ticão, Laércio Oliveira, Guto da Glaudiesel, Neto do Custódio, Zé Maria da Art Vidro e César Augusto. O vereador petista Ivan Construções não votou por ser presidente da casa, contudo já havia se manifestado a favor de Ilário Marques. O encontro teve uma ausência, a do vereador Dudu.

Do outro lado, a favor dos concursados e da sociedade quixadaense, foram contra o PL 07/2018 os vereadores: Luiz do Hospital, Cabo Marlim, Professor Damasceno, Evaristo Oliveira, Louro da Juatama e Iranildo Bacurim.

O Legislativo quixadaense votou um projeto que pode ser tratado como assunto muito grave, porque é como se o prefeito estivesse alterando provas do processo judicial sobre a anulação do ato de homologação do concurso, uma vez que o assunto concursados e contratos temporários ainda está em trâmite e existe uma decisão judicial proibindo a prorrogação de tais contratos. Por isso, seria um gesto de respeito com as autoridades da Justiça se o gestor municipal aguardasse primeiro uma decisão definitiva do Poder Judiciário para depois alterar a polêmica lei dos temporários, com o assunto sendo pauta na Câmara Municipal, o Executivo local corre o risco de ser acusado de embaraçar as próximas fases do processo.

Após a sessão os vereadores que votaram a favor do prefeito tiveram que esperar por mais de uma hora para sair do prédio do Poder Legislativo, pois os concursados esperam uma justificativa dos que disseram não a eles. Alguns manifestantes gritaram palavras de ordem e insultos contra os parlamentares que votaram contra os concursados. O presidente da Câmara foi chamado de corrupto pelos aprovados que aguardam para assumir suas vagas. Abaixo você confere vídeo do momento da saída de alguns vereadores e a manifestação dos concursados.

Red; Monólitos post

Nenhum comentário:

Postar um comentário



Anúncio Google

Post Top Ad

Your Ad Spot

Páginas