Últimas Notícias

25 julho 2016

Estado tem 20 açudes secos e 44 no volume morto

Quixadá. Consequência do quinto ano seguido de chuvas abaixo da média histórica, o Ceará tem 20 açudes secos e outros 44 em volume morto. Os dados são da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh). Um dos vitimados pela preocupante situação é o centenário Cedro, neste Município do Sertão Central. A cota atual do reservatório é de 0,31%.



Primeira grande obra hídrica do País e cartão-postal de Quixadá, o Cedro está inserido na Bacia do Banabuiú. Segundo o gerente regional da Bacia, Luís César Pimentel, a situação é a pior dos últimos 15 anos. "Nós tivemos, em 2001, uma situação parecida com a que estamos vivenciando agora. Depois, em 2007 e 2008, também foi um período ruim, embora não tanto, mas logo em seguida as chuvas mudaram o cenário", disse. Luis César ressalta que o reservatório ainda chegou a tomar água neste ano, mas o volume foi insignificante. Em 1º de janeiro, contava com 0,55% de sua capacidade.

Desde 2008 o Cedro já não abastece a cidade de Quixadá. Atualmente, a água que chega às casas vem de um outro açude do Município, o Pedra Branca. O restante da água do Cedro ainda é retirado por caminhões-pipa, com supervisão da Cogerh, para o abastecimento animal e na agricultura, além de ainda permitir um cenário de paisagem ao local histórico, responsável por atrair turistas.

 O total de água que ainda resta nos 153 açudes monitorados pela Cogerh atingiu o volume de 2,18 bi de m³, o que representa 11,7%. As bacias do Coreaú (41,54%), Litoral (41,26%) e Alto Jaguaribe (28,11%) se encontram na melhor situação. No outro extremo estão as bacias do Baixo Jaguaribe (0,25%), do Banabuiú (2,79%) e do Curu (2,64%), com os menores volumes. Sete açudes já sangraram neste ano mas, no momento, nenhum está sangrando.

Conforme Walt Disney Paulino, responsável pelo monitoramento diário dos açudes, o cenário atual pode ser um dos piores. "É um período mais crítico o de agora porque, depois de cinco anos de precipitação abaixo da média, essa situação é naturalmente complica", pondera.

Em meio a reservatórios que só secam e não registram aportes, saber como continuar garantindo água virou uma questão preocupante. Desde o fim de junho último, a Cogerh já realizou cerca sete reuniões para definir questões como alocação negociada de águas. Os encontros aconteceram em Crateús, Alto Santo, Itapajé, Miraíma, Irauçuba, Trairi e Iracema. O órgão também tem discutido soluções nas cidades em que os reservatórios já não são mais suficientes para atender a demanda do abastecimento humano.

No próximo dia 3 de agosto, a Cogerh deve realizar reunião em Quixadá, com o Comitê da Bacia do Banabuiú, para decidir sobre a liberação de água do Açude Arrojado Lisboa (Banabuiú), terceiro maior do Ceará que está com 0,75% de sua capacidade.


Protagonista



Pescador mostra preocupação e esperança


José Erberto Lima Silva, 57, conta que é pescador desde quando nasceu e fala que essas é uma das situações mais difíceis que já viu no Cedro. Ainda assim diz que tem a esperança de que as coisas vão melhorar. Ele afirma que teve outros anos que ele secou, mas esse é um dos piores mesmo, que está difícil pescar e que quem tira a vida disso está numa situação complicada.


Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário



Anúncio Google

Post Top Ad

Your Ad Spot

Páginas